de volta à nave mãe: home
Home Home by Ivana Ebel Facebook Twitter E-Mail

menu

Estudar fora Sobre a Alemanha Viagens & turismo
Nonsense Receitas Jornalismo

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Viagem e turismo: as cinco melhores dicas pra aproveitar Berlin de graça ou pagando pouco


Brandenburgertor: provavelmente o cartão postal mais famoso da cidade

Dizer que Berlin é uma cidade viva é resumir a capital alemã de uma forma muito simplista. A cidade são, na verdade, 16 pequenos municípios que, com o passar dos anos, foram englobados no que se conhece por Berlin. Esse processo vem de muito antes da divisão da Alemanha – e da cidade – em duas e da reunificação, há mais de 20 anos. Com essa formatação, cada um desses bairros de Berlin tem hoje características distintas, um estilo peculiar de moradores e muito o que fazer.

Quem mora por aqui descobre que a cidade tem diferentes estilos de vida em cada um desses espaços: pode ser a hoje região de Kreuzberg com seus cafés e jovens famílias e os hipsters da cidade. Berlin é também o tradicionalíssimo bairro de Charlottenburg, em volta do maior castelo da cidade, e sua região de comércio requintado (Kurfürstendamm, chamada de Ku´damm pelos locais). Pode ser também as ruas repletas de bares, teatros, restaurantes estrangeiros e alternativos de um lado para o outro em Prenzlauer Berg, parte do que já foi a Alemanha comunista. Berlin também tem seus bairros de imigrantes, como Wedding e Moabit (onde é melhor ficar um pouco mais atento se for circular pela madrugada, ainda mais sem companhia). Mas para a maioria dos visitantes, Berlin é mesmo o Mitte – a região central onde ficam os mais conhecidos pontos turísticos.

Para os visitantes interessados em descobrir as mil caras de Berlin ou aqueles que querem apenas cobrir a lista dos “imperdíveis” da cidade (logo vou escrever um post sobre isso), cinco dicas podem fazer a visita mais fácil, interessante e mais barata. Antes delas, porém, fica uma sugestão: se você for estudante, faça uma carteirinha internacional antes da viagem. Os descontos valem realmente a pena. Se não deu tempo de fazer, traga qualquer identificação estudantil da sua universidade mesmo: em muitos casos ela pode ser aceita. Se você for jornalista, traga uma identificação profissional: todos os museus mantidos pelo estado (já explico isso) oferecem acesso gratuito para a imprensa.

Mas vamos às dicas:

1 – Faça um tour “gratuito” pela cidade – Já fiz um post sobre isso, mas repito brevemente aqui. Trata-se de uma caminhada com guia (que pode ser em alemão, inglês, espanhol e outras línguas – embora não tenha visto em Português) que dura umas três horas e passa pelos principais pontos de interesse do centro. Muitos você já “mata” nessa caminhada, mas a melhor parte é ter uma visão mais ampla do que existe no entorno e poder voltar para conferir com mais calma nos dias seguintes. Você não é obrigado a pagar pelo guia, mas o normal é que cada pessoa contribua com uma gorjeta (de 3 a 5 euros no fim da caminhada). O ponto de partida é no Starbucks que fica na frente do Brandenburgertor, as 11h e as 13h, diariamente, faça chuva ou faça sol.

2 – Visite a cúpula da Reichtag de graça e com guia – Assim que souber as datas da sua viagem, entre no site da Reichtag , que é o prédio do parlamento alemão, e agende uma visita. Ele tem um domo lindíssimo, todo em vidro, por onde apenas grupos organizados podem passar. E só entra quem marcou antecipadamente e recebeu a confirmação. No site você pode escolher três opções de data e horário para a sua visita e aguarda que seja confirmado o seu pedido. Também pode optar pela visita simples, com guia ou uma palestra de uma hora sobre a história do prédio e um pouco da estrutura política alemã. Fique atento: você recebe um e-mail automático logo após a inscrição pela internet, mas isso não é a confirmação. Os seus “bilhetes de entrada” só chegam depois que a solicitação for confirmada por um funcionário. Tenha em mãos o nome completo e data de nascimento de todos os que estiverem viajando com você na hora de fazer a reserva.

Reichtag: marque com antecedência e visite a cúpula sem pagar nada

3 – Visite mais de 30 museus pelo preço de um – Existem mais de 170 museus em Berlin e muitos deles são mantidos pelo  Estado.  Outros são operados por empresas particulares ou são franquias de museus internacionalmente conhecidos. Para os museus do estado  - que incluem a maioria das opções na Ilha dos Museus – existe um ticket valido por três dias consecutivos e que custa 19 euros (ou 9,50 para estudantes): uma pechincha. Você compra no primeiro museu que visitar e entra em todos os outros sem custos adicionais. Veja como comprar e a lista de museus no pacote aqui

4 – Concertos, museus e exposições de graça – Existem vários sites especializados na agenda cultural de Berlin com tudo o que a cidade tem a oferecer de graça, mas acho esse o melhor, mas existem outros como este ou muitos que você acha em uma pesquisa rápida. Você escolhe pela data e fica sabendo o que tem de graça nesse dia: pode ser até mesmo um concerto da famosíssima Orquestra Filarmônica de Berlin. Claro que os sites tem muita propaganda, mas com um pouco de paciência, da pra peneirar muita coisa boa.

5 – Faça um tour de ônibus por 2,30 euros –  Esse é o preço da passagem do transporte local para um trecho em uma direção. Se por acaso você comprou o ticket do dia, o seu passeio sai de graça. Isso porque, existe uma linha de transporte coletivo da cidade que faz praticamente o mesmo trajeto dos ônibus turísticos. Trata-se da linha 100 (tem até um site especial sobre ela!!!), que liga a estação Zoologischer Garten à Alexanderplatz (ou Alex, para os íntimos!). Você pega ao lado da Reichtag, nos pontos de ônibus convencionais (aqueles que tem a letra H marcando). O ônibus é de dois andares e passa a cada 10 minutos. Se você comprar o ticket de 2,30, tem duas horas para terminar o passeio (pode sair e voltar para o ônibus nesse tempo).

Caso tenha o ticket do dia, então leva o tempo que quiser e percorre pontos turísticos como: Gedächtniskirche, Zoologischer Garten, Siegessäule, Schloss Belleuve, Haus der Kulturen der Welt, Reichtag, Brandenburgertor, Gendarmenmakt, Zeughaus, Humbolt-Universität, Deutsche Staatsoper, Lustgarten, Berliner Dom, Nikolaiviertel, Rotes Rathaus, Fernsehturm e Alexanderplatz. Ou seja, cobre praticamente o que a cidade tem de melhor. Claro que no ônibus de linha não vai ter um fone de ouvido e nem um guia explicando, mas nada que um aplicativo de celular com as descrições, um guia de turismo impresso ou mesmo uma pesquisa antecipada na internet não resolvam.

Linha 100: o postal mostra que ônibus convencional cobre o melhor da cidade 


9 comentários:

Ana Gaspar disse...

Que post ótimo!!! adorei...
quando for a Berlim, volto aqui de novo para dar uma relida...rsrsrs
beijosss
Ana Gaspar

Ana Gaspar disse...

tem um post pra vcs lá no blog...bj

Carina disse...

Excelentes dicas de Berlin! Adorei! :-)

Eve disse...

Tenho mais uma dica pra vc (nao sei se já falou aqui): berliner unterwelten. Fica pertinho de lá de casa, nunca fui. Podemos ir juntas quando eu voltar pra casa. hehehe

Bjs!

Nicole disse...

Muito legal seu blog! Tenho um blog só sobre Berlim com um brasileiro e achei ótimas suas dicas. Sucesso!

Italo Dantas Pereira disse...

Pretendo conhecer Berlim em outubro de 2013 e vou conferir suas dicas. Obrigado.
Ítalo Dantas

Anônimo disse...

Adorei seu post.
estarei em Berlin em abril. e estarei com minha familia e meu sogro e cunhado ees super poupadores...
eles vao adorar suas dicas.
tem alguma dica especial ,do que visitar entre as cidades de Berlin e Munique? ( estaremos de carro)
Desde já muito obrigada!

Tania Quintella disse...

Acabo de chegar em Berlim e... chuva!!!!! O que fazer em Berlim com chuva? Seu blog é ótimo e vc escreve de modo divertido e claro!

Emanuella Kalil disse...

Olá! Sou jornalista no Brasil e gostaria de saber qual a melhor forma de provar isso, para ter acesso gratuito aos museus. Tenho meu registro na carteira de trabalho, será que vale?

de volta à nave mãe - desde 2008 © Ivana Ebel